O primeiro, e ainda último fio.

2013-10-03 09.28.35
Memória, para continuar. Um dia antes de tudo começar.| EEB. Prof. Henrique Stodieck, Florianópolis, SC. | 03/10/2013.

Ouço o coração bater
mas não consigo sentir ele viver
mecanicamente meus pulmões se enchem e se esvaziam
a maquina do organismo, eles apenas alimentam

Mesmo a existência
parece totalmente partida
fraca e combalida.

Não sei mais onde ir
ou pensar, de vir
O vazio ao acordar.
Estranhamente há força para avançar
o nosso sonho é mais do que conquistar, é essencialmente perseverar.
Que a esperança encontre razões maiores do que ela própria simplesmente existir.


– Alexandre

Anúncios

SobRe expressão

20171004_154249.jpg
4 anos. | Praia da Joaquina – Florianópolis, SC. | 04/10/2017

Escrever é dar ao mundo
uma lembrança maior que um segundo.

Trazer mais vida
lembrança e alegria, em tudo.
Ser memória em meio a cantoria.

Banhado em nosso silêncio
com tudo aquilo que gostaria de te dizer..
Dando um novo passo, a cada dia – ao viver.

SobreVivente, com pura alegria.
Esperança, e euforia.


– Alexandre

Engrenagem

20160911_172204
Ponte Hercílio Luz, em 4K. – Florianópolis, SC|Acervo pessoal de 11/09/2016.

Perecer sem arriscar.
Desistir sem lutar.
Ser grandeza
por trás da simples Beleza.

Com papel e caneta à mão
já sabemos o que fazer.
E, preparados ou não
nada pode nos deter.

Gritos de ardor
convivendo (d)entre
ecos de louvor.

Não precisamos vencer.
Basta, reflorescer.


– Alexandre

Continuidade, é vida

IMG_0807.jpg
Recortes. | Parque Estadual do Rio Vermelho, Praia do Moçambique – Florianópolis, SC | 15/04/2018.

Muitos dias temos conosco
mais dor para se queixar
do que alegria para explanar..

Devemos prosseguir
re(in)sistir.

De pé a ficar, mesmo sem motivos para sequer estar.
E tão bom ao final, poder olhar para si e sorrir
mesmo que eu não possa falar, ainda posso sentir.


– Alexandre

Relevância

IMG_0819
Praia do Moçambique – Florianópolis, SC | 14/04/2018 // shot with iPhone 7.

Papéis amarelados
em um emaranhado
intrinsecamente memorado,
ainda, em pedaços rasgados.
Vivos.

O tempo os castigou
mas o coração, nele, eternamente os guardou
um (in) finito sem fim
Sem mais persistir, ainda assim

Na memória ainda não acabou
no físico, ainda não dispersou
pra lembrar,
que nem tudo podemos controlar.

Por amor em todo nosso Ser.
Pra manter o viver.

Elucidar

As vezes, um devaneio
completamente alheio
nos faz desejar
mais do que podemos
ser, realmente, capazes de lidar.

Quando tudo parecer acabar
a ponto de literalmente desmoronar
lembre-se que a derradeira verdade
não pode ser omitida contra vontade.


– Alexandre